quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O POVO QUIS O LISO

         
         De meados da minha campanha para o final, a música “O povo quer o liso” passou a ser um dos símbolos da nossa trajetória naquelas eleições. Tal música foi oriunda das campanhas de Olivânio (em Picuí) e de Valdir (em Jucurutu), ambos professor e motorista de ambulância, respectivamente, que, assim, como eu tentavam afastar as oligarquias dominantes do poder. A canção trouxe ânimo ás passeatas e deu mais empolgação à nossa campanha.
          Especialmente aqui em Jaçanã, a música incomodou tanto que a oposição entrou na justiça para proibir que ela fosse tocada, pois se ofendia com o verso “ninguém quer o barãozinho, ninguém quer o comprador”. Às vésperas da eleição a Justiça Eleitoral deferiu o pedido e a canção foi proibida de ser executada.
          A música “O povo quer o liso” e toda a sua letra, necessariamente não queria dizer que eu era um flagelado (afragelado) ou que estivesse abaixo da linha da pobreza extrema. Mesmo porque eu comecei a trabalhar formalmente aos 18 anos e estou na rede pública de ensino do RN (concursado) há 23 anos. É claro que, como professor (dois vínculos) eu tinha o meu salário fixo e isso mantinha a minha sobrevivência e subsidiou parte dos gastos com a minha campanha.
          A expressão “liso” necessariamente não queria dizer que eu não tivesse renda própria. A "campanha do liso" se referia ao fato de eu não ter agiotas me patrocinando, de eu não ter empresas bancando a minha campanha, de eu não ter políticos (deputados, senadores e governador) me dando dinheiro para eu "angariar" votos ou de eu não ter fortunas e bens materiais conquistados ilicitamente ao longo de décadas na política. Nesse sentido e nesse contexto, eu era realmente “liso” e ainda continuo sendo. Afinal, minha renda hoje é o salário que ganho como prefeito, pois legalmente estou afastado da função de professor. Seguramente não estou desviando dinheiro da Prefeitura e nem enriquecendo ilicitamente como tantos outros fizeram antes de mim. Trabalho arduamente todos os dias com toda transparência e lisura possíveis. Estou na prefeitura diariamente, das 7h às 17h e do salário que ganho eu faço o que eu bem entender. 
          No último feriadão de finados, viajei a Foz do Iguaçu numa viagem de turismo, a qual foi previamente planejada e está sendo paga com meus próprios recursos. Entretanto, ainda inconformados porque a oligarquia foi quebrada ou porque o império ruiu, uma minoria oposicionista se aproveita do fato de eu ter viajado a Foz e tenta confundir a opinião pública insinuando que eu fiz essa viagem utilizando o dinheiro público. Sem o menor pudor, se apropriam de fotos postadas por pessoas que livremente me acompanharam nessa viagem, além de fazerem vídeos caluniosos com paródias encima da música “O povo quer o liso”.
          Claro que isso não me abala e não me afeta em nada, pois tenho a minha consciência tranquila e se alguém tem dúvidas sobre a fonte dos recursos que subsidiou a minha viagem á Foz, é só reunir provas e provocar a justiça para que seja feita uma investigação. Entretanto, me preocupa o fato de algumas pessoas inocentes e desinformadas replicarem essas mentiras por aí e acreditarem nesse jogo de interesses meramente pessoais que essa oposição inconformada faz. Nunca vimos em Jaçanã uma oposição tão ferrenha e tão capaz de tudo para tentar denegrir a imagem do gestor junto à população. Eles não têm escrúpulos e são capazes das coisas mais sórdidas, tentando de todas as formas me atingir. Ao que tudo indica vão passar os quatro assim, afinal os seus privilégios acabaram e não deve ser nada fácil para eles se adaptarem a uma vida sem a "boquinha livre" que tinham antes. Tenho pena, pois o mal que a gente faz a alguém de alguma forma se encarrega de voltar para nós.  O mal que essas pessoas fazem e as calúnias que inventam sobre mim inevitavelmente voltará para elas. É a lei da vida!
          Mas enfim, quem me conhece sabe da minha índole e do meu caráter. Penso que imoral mesmo é ser servidor público, assim como eu sou, e passar anos e anos recebendo sem trabalhar. Engraçado é que políticos que me antecederam construíram mansões, compraram dezenas de terrenos, abriram empresas, adquiriram máquinas, viraram latifundiários, se tornaram pecuaristas (...) e ninguém nunca se preocupou com isso? Será que todos esses bens foram adquiridos apenas com o salário de R$ 7 mil que recebiam da Prefeitura? Por que será que uma simples viagem de turismo a custo de R$ 1.470,00 (dividida em 6 parcelas no cartão de crédito) incomodou tanto?
          Ora quanta hipocrisia! Eu sempre fui uma pessoa que viajou. Nos dois últimos anos fui a Manaus, Parintins, Maceió, Noronha, Recife, Fortaleza, etc e banquei tudo com o meu salário de professor. Nunca precisei de prefeitura para fazer minhas viagens. E por que só agora eu iria precisar?
          Se essas pessoas de alma pequena querem passar os próximos três anos me perseguindo e tentando colocar o povo contra mim, que continuem. Que percam seus preciosos tempos inventando calúnias, falácias e mentiras a meu respeito. O pior é que eles são tão covardes e sabem tanto que o que divulgam por aí é sem o menor fundamento que se escondem atrás de perfis falsos nas redes sociais e em conversas de botecos e de beira de esquina.
          Mas enfim, sei que esse inconformismo ainda vai perdurar por muito tempo. E enquanto eles perdem seu tempo buscando meios para “me destruir”, eu sigo fazendo o meu trabalho, defendendo o que acredito e vivendo a minha vida às custas do meu próprio suor, esforço e trabalho. Vida que segue! E que venham mais viagens!


6 comentários:

  1. Não podemos e nem devemos considerar estes comportamentos hipócritas.Para sermos perseguidos e caluniados é só andarmos na linha e mantermos nossa boa conduta .logo aparecem aquelas viuvas dos falsos moralistas e falsos dignos com ciúmes do nosso sucesso.Vejam que a mídia centrou fogo num aniversário da esposa de Zé Dirceu apenas porque Zé Dirceu estava dançando com sua esposa como se ele não pudesse fazê-lo.Na campanha d Óton Mário a qual ão participei ativamente apenas comentei e votei.chegou um desses e como não encontrou uma causa pra falar mal de Oton.veio me falar a respeito da vida íntima de Oton.eu então respondi:eu voto em Oton para ele administrar a cidade. com quem ele dorme isto não me interessa .assim como não interessa a ninguém com quem eu durmo ou fico acordado.pois bem, este cidadão desconversou e nunca mais tocou no assunto comigo.

    ResponderExcluir
  2. O melhor de tudo isso é a paz de espírito que nós, os que fomos a Foz do Iguaçu ou aqueles que defendem nosso gestor, temos diante de tantas aberrações inverídicas. Não temos culpa de algumas pessoas não saberem administrar suas finanças. Nosso orçamento é bem planejado. Trabalhamos arduamente todos os dias... Temos o direito ao lazer... Somos pessoas livres para a aplicar nosso suor no que bem quisermos. Que pena! Essas pessoas que nos criticam deveriam viajar para ocupar a mente com belíssimas paisagens que Deus nos presenteou... Aproveitem para conhecer em também! Parabéns, Oton! E outros passeios virão, confio em Deus!

    ResponderExcluir
  3. Orgulhosa de sua conduta,faz com que queiramos ser como ti.

    ResponderExcluir
  4. Orgulhosa de sua conduta,faz com que queiramos ser como ti.

    ResponderExcluir
  5. Essas mentiras rídiculas só o ajudam a crescer mais e realizar o que planejou durante a campanha.

    ResponderExcluir
  6. Ahahahah!Por mim ficava lendo suas postagens por longas datas, tudo um lixo, o mau é que querem propinaaaaaa, Mas.. ..com o liso só se mostrar serviço.

    ResponderExcluir