quinta-feira, 8 de março de 2018

"O PREFEITO QUE NÃO INVESTE EM ESPORTE". A VERDADE FRENTE AS OPINIÕES


       
         Nas últimas semanas tenho sido alvo de muitas críticas sobre uma suposta ausência de investimento na área de esportes em minha gestão, o que mais uma vez é uma crítica injusta e motivada pela falta de conhecimento sobre como funciona a gestão pública e sobre o investimento que já foi feito no esporte em nossa administração, do ano passado para cá.
       É importante ressaltar que a Secretaria Municipal de Esportes não dispõe de recursos próprios e que tudo para a manutenção dessa secretaria é oriundo de recursos próprios, dos repasses do FPM e do ICMS. Semelhante à Secretaria de Esportes, que não dispõe de recursos próprios, também temos que destinar recursos para as Secretarias de Cultura, de Agricultura, de Transportes, de Finanças, de Administração e de Infraestrutura que também não contam com repasses próprios e que são mantidas pelos mesmos recursos já citados.
           Não é verdade que não houve (e que não há) investimentos da nossa gestão na área de esportes. Só a título de informação, só no ano passado gastamos a bagatela de R$ 279.004,31 (duzentos e setenta e nove mil, quatro reais e trinta e um centavos) com a Secretaria de Esportes. A prestação de contas desses valores e de onde eles foram aplicados podem ser acompanhadas no Portal da Transparência do nosso site e na sede da Secretaria Municipal de Finanças. E só ir lá e pedir para ver.
             Entre as tantas ações que realizamos na área esportiva, do ano passado para cá, podemos citar: recuperação dos refletores do Ginásio Dr. Orlando de Vasconcelos Silva, recuperação e parceria com o Campinho de Romão, criação do projeto Zé da Bola com crianças do CRAS, monitoria de esportes no SCFV, reforma da estrutura física do Edmundão, adubação do gramado do Edmundão, aquisição de bomba hidráulica para o Edmundão, reforma na estrutura dos calçadões e do ginásio, incentivo e logística para que os atletas estudantes participassem dos JERN’s (etapas regional e estadual), distribuição de kits esportivos para alunos atletas, logística para a realização dos jogos escolares municipais, doação de kimono a atletas de jiu-jtsu, pagamento de inscrições de atletas municipais em eventos regionais e nacionais, realização de torneios beneficentes, aquisição de material esportivo para a Secretaria de Esportes, distribuição de bolas às equipes da zona rural, concessão de transporte público para a participação de nossos atletas em eventos regionais, ajuda em combustíveis para deslocamento de equipes para eventos em outras cidades, retomada das obras do ginásio próximo ao CEIG, retomada das obras da quadras escolares, apoio para a realização do Bicilama, apoio para que atletas de MotoCross possam competir fora, reparos na pista de MotoCross, realização de campeonatos de diversas modalidades, apoio aos eventos de pedal, etc. Fora patrocínios que dou do meu próprio bolso (quem recebeu sabe disso!).
                 Se isso não é fazer pelo o esporte local, o que é então?
            O problema em Jaçanã é que, para muitas pessoas, a percepção do esporte é unicamente voltada para o futebol, principalmente para o futebol de campo. Esquece-se que o investimento no esporte não é e nem deve ser voltado especificamente à prática dessa modalidade. É evidente que há atletas de outras modalidades no município e que precisam também ser vistos e que precisam também ser apoiados. E são. Além de todo o apoio que se é dado às diversas modalidades esportivas e seus atletas no município, na Secretaria de Esportes também pagamos funcionários, energia elétrica e água. Tudo isso é gasto e investimento também. A fonte de recursos para isso é a mesma.
           Achar que o esporte jaçanaense deve se resumir unicamente ao futebol e ao apoio aos seus atletas é no mínimo ser egoísta. Não temos menosprezado o futebol e feito menos por essa modalidade. Pelo contrário, essa sem dúvidas é a modalidade para a qual temos nos dedicamos mais.
            Infelizmente é comum entre os desportistas de futebol de nossa cidade dizer que nós somos uma gestão que não olha para o esporte. O problema é que em gestões anteriores, alguns dirigentes esportivos tinham acesso ilimitado a tudo dentro da Prefeitura (ternos para seus times, transportes ao tempo e a hora, dinheiro para fazer farras após as partidas, etc). Como essas práticas foram abolidas e essa realidade não existe mais, então vêm as críticas, motivadas unicamente pela insatisfação de não se terem mais essas regalias como antes.
               É importante ressaltar que nossa obrigação é com o esporte municipal, principalmente no que se refere ao esporte escolar, e não com os times particulares de futebol. Não temos obrigação nenhuma de fornecer material, ternos e transporte ilimitado aos times particulares de futebol. Se tivéssemos uma seleção municipal de futebol, aí sim teríamos toda a obrigação de mantê-la. Mas ainda não a temos. É óbvio que a manutenção dos times particulares de futebol é de responsabilidade de seus donos e de seus atletas. Pensemos um pouco: então eu monto um time com os meus amigos, dou um nome a ele e delego para a Prefeitura a responsabilidade de mantê-lo de material, de pagar suas inscrições nos campeonatos e de transportar a equipe até os locais dos jogos. É assim mesmo que é pra ser? Isso é no mínimo insensato e ilógico. O que pode caber à Prefeitura é ajudá-los, dentro do possível, e isso nós vimos fazendo, tanto que já disponibilizamos várias vezes o transporte público para conduzir atletas de times particulares para jogarem fora. Agora, comprar ternos para distribuir entre os times particulares como querem, ah isso não vamos fazer mesmo!
               O problema em Jaçanã é que esses times de futebol particulares (e são muitos, mais de dez) querem que a Prefeitura compre ternos novos para eles, banquem as suas inscrições em campeonatos regionais e ainda lhes forneçam o transporte para todos os jogos que tiverem a participar. O que é absolutamente inviável diante dos poucos recursos recebidos, do número de times existentes e do tanto de secretarias municipais que temos que manter. Particularmente nunca ouvi falar que a Prefeitura de Natal, por exemplo, bancasse os times do ABC, do América ou do Alecrim, nem tão pouco que pagasse as passagens áreas das suas comitivas para eles participarem dos campeonatos país á fora. Que eu saiba isso é de responsabilidade das próprias agremiações. Se estou errado, me corrijam!
            Dentro do possível, o que é a PMJ pode fazer é conceder uma ajuda no transporte das equipes quando tiver campeonatos. E isso temos feito. Em gestões anteriores, os amarelinhos (ônibus escolares) eram utilizados livremente para fazer viagens de times de futebol todo fim de semana e ninguém nunca reclamou ou denunciou isso. Vá eu fazer. Ouse eu ceder um ônibus escolar pra conduzir equipes para um jogo fora que no outro dia estarei sendo denunciado no Ministério Público e correndo o risco de responder por improbidade. As coisas mudaram. Antes não se tinha oposição destrutiva, mas hoje temos. Por que não conseguem entender isso?
            Infelizmente não podemos ceder os ônibus escolares para fazer viagens esportivas que não sejam da Educação. O único transporte livre que temos disponível é o “branquinho”, que recuperamos e que quando está funcionando está sendo cedido sim. Os times podem atestar isso, pois já fizeram uso dele várias vezes. Mas não pode ser sempre, nem toda semana, porque há outras demandas e pedidos de outras secretarias e órgãos a serem atendidos.
             Dizer que não investimos em esporte é no mínimo uma injustiça. Os números e as ações feitas mostram que investimos sim. Talvez seja razoável dizer que não conseguimos reformar completamente o Edmundão. Isso talvez seja mais plausível. E só não conseguimos revitalizá-lo completamente ainda porque temos demandas demais para recursos de menos. Vale salientar que se o Estádio de Futebol está numa situação difícil, isso não se deve exclusivamente a nossa gestão. É bom frisar que o recebemos em situação muito pior. Não deixem de lembrar que colocaram lá uma grama para os padrões climáticos da região Sul. Estamos no semi-árido nordestino e não perceberam que aquela grama não era adequada para cá. Como resultado dessa falta de planejamento temos gastado tempo e recursos para manter vivo um gramado que não é adaptado para o nosso clima. Tenham certeza de que, entre destinar dois caminhões pipa de água por dia para aguar o gramado do Campo e enviar a mesma quantidade de água para famílias carentes do Rangel e do Caiongo, certamente preferirei mil vezes enviar a referida água para as comunidades rurais que agonizam com a seca nessas regiões. Se isso é não investir no esporte, então de fato não estarei investindo.
            Temos uma demanda enorme de obras a serem feitas e recuperadas no município e só contamos com apenas sete profissionais que se revezam feito uns loucos para atender a tudo. Infelizmente, por determinação do MP e por cumprimento à LRF, não poderemos contratar mais profissionais para atender a tanta coisa que temos para fazer. Contudo, já estava agendado com o secretário municipal de esportes que, nas próximas semanas, as equipes da Secretaria de Infraestrutura estarão sendo deslocadas para fazer reparos emergenciais no Edmundão em virtude dos jogos que lá acontecerão em breve e da necessidade eminente.
              Fácil é falar, criticar, emitir opinião, mas ninguém nunca busca antes saber quais são as razões que limitam uma ou outra ação. Julgar estando fora é fácil, mas tentar entender as minúcias burocráticas de uma gestão pública ninguém procura.
              Enfim, estamos investindo no esporte sim, haja vista tudo o que já foi exposto aqui e à extensa programação esportiva que teremos nos festejos de Emancipação Política dos 55 anos de nossa cidade. O que muito há é falácia, gente olhando apenas para o próprio umbigo, criadores de polêmicas e insatisfação de alguns desportistas porque desejos meramente pessoais não estão sendo mais atendidos como outrora.



5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. É isso mesmo, Oton Mário! Suas palavras são dignas de aplausos 👏🏼👏🏼👏🏼💖👩🏻 Quem tiver dúvidas, dirija-se à Prefeitura Municipal de Jaçanã-RN💕💕💕

    ResponderExcluir
  3. Quase 300 mil reais no esporte e ainda falam, meu Deus

    ResponderExcluir
  4. Minha inquietude só seria resolvida assim, agora paciência e boa leitura àqueles que falam sem instrução. NAMASTE!

    ResponderExcluir